InícioBitcoinSanções ao Bitcoin podem ser as próximas, já que DOJ revela planos...

Sanções ao Bitcoin podem ser as próximas, já que DOJ revela planos de repressão às criptomoedas

-

Separatistas pró-Rússia são vistos ao lado de um tanque abandonado em uma estrada entre os assentamentos controlados pelos separatistas de Mykolaivka (Nikolaevka) e Buhas (Bugas), enquanto a invasão da Ucrânia pela Rússia continua, na região de Donetsk, Ucrânia, em 1º de março de 2022.

Alexandre Ermochenko | Reuters

À medida que a guerra de Moscou contra a Ucrânia continua e a economia e a moeda russas atingem novos mínimos, Washington está supostamente tentando uma nova maneira para aumentar a pressão sobre Putin: alvo de sanções criptomoedas como bitcoin e ethereum.

O Departamento de Justiça anunciou na quarta-feira uma nova força-tarefa amplamente projetada para aplicar sanções. Como parte disso, ele direcionará esforços para usar criptomoedas para evitar sanções dos EUA, lavar receitas de corrupção estrangeira ou evitar respostas dos EUA à agressão militar russa.

Visando o acesso da Rússia ao dinheiro digital ocorre quando os EUA e seus aliados, incluindo a notoriamente neutra Suíça, impõem pesadas medidas punitivas contra Moscou.

A preocupação é que o Kremlin, assim como outros atores auxiliares que apoiam a ofensiva na Ucrânia, evitem o regime de sanções por meio de tokens digitais, que não são de propriedade ou emitidos por uma autoridade central como um banco. O Bitcoin, como a maioria das criptomoedas, é descentralizado e sem fronteiras, o que significa que não respeita as fronteiras nacionais. Como não há autoridade central para bloquear transações, as moedas digitais também são resistentes.

Desde que a Rússia invadiu a Ucrânia em 24 de fevereiro, estatísticas do provedor de dados de criptomoedas Kaiko mostram que as transações em exchanges centralizadas de bitcoin tanto no rublo russo quanto na hryvnia ucraniana subiram para seus níveis mais altos em meses. Isso provavelmente é parte do motivo pelo qual a Ucrânia pediu a todas as principais exchanges de criptomoedas que banissem os usuários russos – um pedido que foi rejeitado por muitos dos principais players, que argumentam que um movimento como esse iria contra a própria razão pela qual as criptomoedas existem.

Apesar dos crescentes sinais de adoção de criptomoedas – bem como da retórica discada de líderes mundiais sobre a proibição de russos sancionados de trocas de moeda digital – a criptomoeda como um caminho para contornar as sanções não é realmente uma opção viável em escala.

Em primeiro lugar, os mercados de criptomoedas oferecem pouca liquidez e as transações de token são, por design, rastreáveis ​​por meio de um livro-razão público conhecido como blockchain. Além disso, especialistas dizem à CNBC que, em última análise, existem maneiras melhores e mais inteligentes do que usar o bitcoin para contornar os bloqueios financeiros globais.

“O tamanho e a escala dos mercados de criptomoedas – e seu estado de liquidez – não são suficientes para compensar o que acontece com as interrupções bancárias e outras interrupções das sanções”, disse Yaya Fanusie, membro do Center for a New American Security que avalia riscos de segurança e lavagem de dinheiro relacionados a ativos digitais.

“É como se alguém bloqueasse seu salário por um mês e você tivesse que confiar no seu cofrinho para compensar isso”, disse ele.

A Rússia não é estranha às sanções

A Rússia não é estranha a sanções, e sua classe política passou anos sendo criativa em soluções alternativas.

Moscou enfrentou condenação internacional em 2014 depois que a Rússia anexou a península da Crimeia na Ucrânia. Foi também o ano em que um avião de passageiros com destino à Malásia da Holanda foi abatido por um russo míssil terra-ar disparado sobre território controlado por separatistas pró-Rússia no leste da Ucrânia.

Desde então, o presidente Vladimir Putin construiu amortecedores para isolar a Rússia do golpe das sanções ocidentais, que os economistas estimam ter custa à Rússia US$ 50 bilhões por ano.

Normalmente, a forma como as sanções funcionam é que um governo gera uma lista de indivíduos e empresas que devem ser evitados, e aqueles que fazem negócios com essas entidades proibidas estão sujeitos a multas pesadas. Mas as sanções são tão boas quanto os requisitos de integração KYC (Know Your Customer), explicou Sarah Beth Felix, uma autoridade em combate à lavagem de dinheiro e conformidade com sanções.

“Dependendo de quão rigoroso isso é, então isso direciona os dados, o que determina se as sanções são realmente eficazes ou não”, diz Felix. “Isso é agnóstico quando se trata do fluxo subjacente de fundos, seja cripto, fiduciário, transferências, contas a pagar – tudo vive ou morre nos dados subjacentes que são capturados e verificados na propriedade da empresa, o indivíduo , e todo esse tipo de coisa.”

Parte da estratégia de Putin envolvia a diversificação dos títulos do Tesouro dos EUA e do dólar americano, cultivando um novo tipo de estrutura de dívida amplamente baseada em euros e ouro. O cofre de guerra de Putin inclui US$ 630 bilhões em reservas estrangeiras, que servem como uma espécie de escudo financeiro destinado a amortecer o impacto de sanções abrangentes.

Leia mais sobre criptomoedas da CNBC Pro

Os fundamentos financeiros subjacentes do país também ajudaram a absorver o choque. A CNBC informou que a Rússia tem uma relação dívida/PIB de apenas 18%, um superávit em conta corrente e o preço do petróleo passando de US $ 113 por barril (seu nível mais alto em mais de uma década) é certamente uma benção. Até agora, a Casa Branca evitou a sanção Vendas de petróleo russo.

Além disso, especialistas dizem à CNBC que os russos estão se preparando para esse tipo de repressão há meses.

“As autoridades de elite e financeiras da Rússia estão se preparando para sanções há algum tempo”, disse Salman Banaei, chefe de políticas públicas da North American for Chainalysis, que especializada no rastreamento de atividades em redes blockchain.

Qualquer movimento de fundos provavelmente aconteceu antes da invasão da Rússia, concordou Felix.

“Eu diria que bilhões e bilhões de dólares já foram movidos por essas empresas de fachada e corporações de fachada que temos em todo o mundo que são de propriedade de empresas e indivíduos russos, independentemente de envolver cripto ou transferências normais de banco a banco”, disse. Félix.

Banaei concorda que é improvável que pessoas designadas optem por movimentar grandes quantidades de criptomoedas neste momento. Em vez disso, Banaei diz que se a criptomoeda está sendo usada para evitar sanções, isso provavelmente teria acontecido lentamente, nos últimos meses.

“No final de tudo isso, a lacuna gritante e enorme que temos está na transparência de quem possui quais empresas, não apenas nos EUA, mas em todo o mundo”, explicou Felix.

Bitcoin não funcionaria de qualquer maneira

Mesmo que a Rússia quisesse usar criptomoedas para evitar sanções, sua economia é muito grande, o mercado de criptomoedas é muito pequeno e quaisquer transações enormes provavelmente seriam sinalizadas.

“O tamanho dos mercados de criptomoedas é pequeno em comparação com o que está acontecendo no setor bancário”, disse Fanusie.

Os EUA impuseram novas restrições de dívida e capital a algumas das empresas estatais mais críticas da Rússia com ativos estimados em quase US$ 1,4 trilhão. Essas entidades não poderão levantar dinheiro através do mercado dos EUA, uma fonte crítica de capital. O O valor total do mercado de criptomoedas é em torno de US$ 1,9 trilhão.

As criptomoedas também são pouco negociadas, o que significa que pode ser difícil comprar grandes quantidades de tokens digitais como bitcoin. O par bitcoin-rublo atinge o máximo de cerca de US $ 250.000 por negociação na Binance, a maior exchange de criptomoedas do mundo, contra o par bitcoin e dólar americano, que tem uma ordem de mercado máxima de cerca de US$ 2,6 milhões.

Delston disse à CNBC que o tamanho das transações que o governo russo precisaria realizar seria múltiplos do que os cidadãos russos individuais podem estar fazendo agora. Isso não apenas seria difícil de fazer em termos de limitações de liquidez, mas também poderia sinalizar totalmente a transação.

“Na blockchain, o tamanho da transação está imediatamente disponível, e transações muito grandes seriam muito aparentes para quem procura”, disse Delston, que acrescentou que as criptomoedas não são o bastião do anonimato que costumam ser.

Embora a criptografia tenha a vantagem de não envolver transferências eletrônicas de banco para banco (que são fortemente policiadas para garantir o cumprimento das sanções), todas as transferências já feitas são capturadas em um livro blockchain público, permanente e imutável e podem ser rastreadas em nanossegundos.

“Se eu lhe entregar uma nota de US$ 5, você nunca poderá rastreá-la de volta para mim, onde se eu transferir dinheiro para você através da minha carteira, isso está sempre vinculado ao meu ID da carteira, que se eu passar por uma bolsa regulamentada, tem todas as minhas informações de CIP (Programa de Identificação de Clientes)”, explicou Felix.

Banaei da Chainalysis disse à CNBC que uma única dica no mercado de criptomoedas pode, em poucas horas, descobrir uma rede de endereços de carteiras envolvidos em fraude de ransomware e lavagem de dinheiro, enquanto uma dica semelhante relacionada a uma transferência bancária tradicional pode levar vários meses para chegar a um valor semelhante. nível de visibilidade em uma rede criminosa e sua lavagem de dinheiro.

Embora existam tokens de privacidade como monero, dash e zcash, que possuem anonimato adicional embutido, eles tendem a não ser tão líquidos quanto outros tokens, já que muitas exchanges regulamentadas optaram por não listá-los devido a preocupações regulatórias.

Há também a questão do que fazer depois de ter a criptomoeda em mãos.

“É difícil comprar coisas com criptomoeda, especialmente coisas grandes”, disse Delston à CNBC. Ele diz que não conhece nenhuma grande empresa de eletrônicos, exportadores de alimentos ou fabricantes de peças de reposição que aceitem criptomoedas como pagamento, que ele observa serem “todos os tipos de coisas que um país como a Rússia precisaria, porque não produzi-lo por conta própria.”

E embora historicamente a conformidade das exchanges de criptomoedas com o regime de sanções globais não tenha sido ótima, Fanusie diz que na verdade está ficando muito melhor, à medida que essas plataformas fortalecem suas equipes internas de conformidade.

Os promotores federais também estão aumentando seus deveres de policiamento de criptomoedas. Em fevereiro, os EUA Departamento de Justiça revelado uma nova equipe de aplicação de criptomoedas.

Que tal um rublo digital?

Embora muita atenção seja dada ao potencial do bitcoin para facilitar a evasão de sanções, a história maior para Fanusie é o que os atores sancionados estão fazendo com as moedas digitais do banco central, ou CBDCs.

O Banco da Rússia divulgou um documento de consulta para um “rublo digital” em outubro de 2020, e a presidente do Banco Central, Elvira Nabiullina, disse que o país planeja prototipar e pilotar este ano.

O rublo digital seria uma versão virtual da moeda nacional do país que – semelhante ao yuan digital da China – seria controlado centralmente pelo Banco da Rússia e usar alguma forma de tecnologia de contabilidade distribuída.

Na época em que foi anunciado pela primeira vez, um jornal de Moscoucitando autoridades, disse que um rublo digital reduziria a dependência do dólar, além de mitigar a exposição a sanções.

Bem antes da invasão russa da Ucrânia, o ex-funcionário do Tesouro dos EUA Michael Greenwald disse à CNBC que um rublo digital poderia ser problemático para os EUA

“O que me alarma é se Rússia, China e Irã criarem moedas digitais do banco central para operar fora do dólar e outros países as seguirem”, disse ele. “Isso seria alarmante.”

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

VEJA TAMBÉM

Quantos tokens são queimados?

Faz quase 100 dias desde que Shiba Inu lançou seu 'portal de queima' em colaboração com Ryoshi Vision. O portal de queima é executado...

Qual poderia ser o preço do Hex daqui a 5 anos?

Hex foi lançado por Richard Heart em 16 de dezembro de 2019, a um preço modesto de US$ 0,000015. A criptomoeda dobrou de preço...

Como conectar sua carteira MetaMask ao Uniswap?

A Uniswap iniciou seus serviços em 2018. Começou a fornecer serviços financeiros descentralizados baseados na blockchain Ethereum. A exchange emergiu como uma das maiores...

POPULAR