InícioNotíciasO que são stablecoins? – Consultor Forbes

O que são stablecoins? – Consultor Forbes

-

- Advertisement -
- Advertisement -
- Advertisement -

Nota Editorial: Ganhamos uma comissão de links de parceiros no Forbes Advisor. As comissões não afetam as opiniões ou avaliações de nossos editores.

Não é segredo que volatilidade e criptomoeda andam de mãos dadas. Mas há um tipo de criptografia projetado especificamente para oferecer um preço estável: stablecoins.

Uma stablecoin é uma criptomoeda cujo valor está atrelado ao preço de outro ativo, daí o termo “estável”. Por exemplo, se estiver funcionando corretamente, uma stablecoin atrelada ao dólar americano deve sempre ser avaliada em $ 1.

Eventos recentes nos ensinaram que nem todas as stablecoins são criadas iguais. Em maio, o colapso do TerraUSD mostrou que nem todas as stablecoins podem garantir a estabilidade de preços.

Aqui está um guia geral para entender as diferentes stablecoins disponíveis no mercado hoje.

O que são stablecoins?

Stablecoins são um tipo de criptomoeda projetada para manter um preço estável ao longo do tempo, atrelado ao valor de um ativo subjacente, como o dólar americano. Eles visam oferecer todos os benefícios da criptografia enquanto tentam evitar a volatilidade desenfreada.

A capitalização de mercado total da criptomoeda pode aumentar e diminuir bilhões de dólares por dia. Mesmo a principal criptomoeda – Bitcoin (BTC) – está sujeita a flutuações significativas de valor. No mês passado, os investidores viram uma mudança diária de cerca de 4% no valor do BTC.

As moedas fiduciárias, como o dólar americano ou a libra esterlina, não veem esse nível de volatilidade de preços. Portanto, outra maneira de pensar em stablecoins é como uma versão tokenizada de uma moeda fiduciária. Em teoria, uma stablecoin baseada em dólar americano é um token que residirá em uma blockchain e sempre será negociado por um dólar.

Tipos de stablecoins

As stablecoins são normalmente atreladas a uma moeda ou commodity como o ouro, e usam mecanismos diferentes para manter seu preço. Os dois métodos mais comuns são manter um pool de ativos de reserva como garantia ou usar uma fórmula algorítmica para controlar o fornecimento de uma moeda.

Stablecoins garantidos

As stablecoins com garantia mantêm um conjunto de garantias para apoiar o valor da moeda. Sempre que o titular de uma stablecoin deseja sacar seus tokens, uma quantidade igual dos ativos de garantia é retirada das reservas.

O USD Coin (USDC) é um excelente exemplo de uma stablecoin garantida. O gráfico abaixo mostra as reservas colaterais do USDC em agosto de 2022 – em US$ 54 bilhões, as reservas da moeda são um pouco maiores que seus passivos de US$ 53,8 bilhões.

As reservas do USDC são mantidas em ativos seguros que devem manter seu valor, como dinheiro e títulos do Tesouro dos EUA.

O USDC é um valor discrepante da stablecoin na divulgação de dados precisos sobre seus ativos e passivos. Há muito tem havido controvérsia sobre a confiabilidade das reservas de garantia em relação a certas stablecoins (ou seja, que os passivos da stablecoin são maiores que suas reservas).

A stablecoin mais proeminente e mais antiga é o Tether (USDT). Com um valor de mercado de US$ 66,9 bilhões, o USDT é atualmente a terceira maior criptomoeda, atrás de Bitcoin e Ethereum (ETH). No entanto, tem sido assediado por dúvidas sobre a confiabilidade de suas reservas há anos.

Stablecoins e criptomoedas estão agora sob maior escrutínio por reguladores federais.

Em outubro de 2021, a Commodity Futures Trading Commission (CFTC) emitiu uma declaração ordenando que a Tether pagasse uma multa civil de US$ 41 milhões por fazer “declarações falsas e enganosas” e pelo fato de “deturpar aos clientes e ao mercado que a Tether mantinha suficiente Reservas em dólares americanos para apoiar cada USDT em circulação com a ‘quantidade equivalente da moeda fiduciária correspondente’”.

O Tether ainda afirma que possui reservas suficientes para apoiar os US$ 66,9 bilhões em tokens Tether em circulação. Além disso, a empresa ainda não recebeu nenhum pedido de resgate.

“Nossa jornada em direção ao aumento da transparência ainda não terminou”, disse Paolo Ardoino, chefe de tecnologia da Tether, em abril, prometendo que continuaria a garantir ao mercado que a Tether é confiável.

Stablecoins também podem ser garantidos por outras criptomoedas. O maior exemplo nesta categoria é a stablecoin algorítmica DAI (DAI), que está atrelada ao dólar americano, mas é apoiada pelo Ethereum e outras criptomoedas.

Mas devido à garantia subjacente estar em criptomoeda, é propensa a mais volatilidade.

Especialistas dizem que a stablecoin DAI é supercolateralizada, o que significa que o valor dos ativos de criptomoeda mantidos em reservas pode ser maior que o número de stablecoins DAI emitidas.

Stablecoins algorítmicos

As stablecoins algorítmicas mantêm seu preço fixo por meio de algoritmos que controlam o fornecimento do token.

A TerraUSD (UST) foi a maior stablecoin algorítmica, atingindo um valor de mercado de mais de US$ 18,7 bilhões em seu pico em 5 de maio, antes de começar a despencar acentuadamente depois de cair abaixo de sua indexação.

O preço do TerraUSD foi fixado em $ 1 através da cunhagem (criação) e queima (destruição) de uma moeda irmã, Luna. Não houve garantia, com todo o modelo sendo executado por meio desse algoritmo de cunhagem e queima de tokens Luna cada vez que uma stablecoin UST era comprada ou vendida.

Este provou ser um modelo problemático. O TerraUSD sofreu o que desde então ficou conhecido como uma “espiral da morte”, pois uma onda de pânico acabou causando o equivalente criptográfico de uma corrida ao banco em maio, com uma enxurrada de vendas do TerraUSD de seu preço de US$ 1. e, finalmente, enviando a moeda “estável” para perto de zero, ao lado de sua moeda irmã, Luna.

Neste ponto, o medo nos mercados no início de maio fez com que o Tether caísse abaixo de sua indexação de 1:1 dólar por frações de centavo.

Embora não na mesma medida que o TerraUSD, os investidores se preocuparam com a confiabilidade das reservas e se o Tether estava totalmente garantido.

O TerraUSD agora é negociado sob o TerraClassicUSD (USTC) desde que o blockchain do Terra foi oficialmente interrompido e desvinculado do dólar americano em 9 de maio. O USTC é negociado a apenas 3 centavos.

Como as stablecoins são usadas

As stablecoins permitem que os investidores entrem e saiam de diferentes criptomoedas enquanto permanecem no reino das criptomoedas.

“Stablecoins são usados ​​para preencher a lacuna entre moeda fiduciária e criptomoedas sem a volatilidade”, diz Richard Gardner, CEO da Modulus Global. “Stablecoins também permitem que pessoas de economias de alta inflação armazenem o valor de suas economias em um ativo atrelado a uma moeda mais estável, como o dólar americano.”

Essas moedas oferecem os benefícios da criptomoeda, ou seja, transferências instantâneas e taxas baixas, sem o inconveniente da volatilidade. Isso significa que os investidores podem mantê-los sem se preocupar com oscilações no valor de seus portfólios.

As transferências bancárias internacionais são um excelente exemplo de um caso de uso. Convencionalmente, isso exigiria conversões de câmbio (FX) com vários bancos e intermediários. Essa rota envolveria uma série de etapas e várias taxas e geralmente levaria alguns dias úteis para ser concluída, ao contrário de uma transferência de stablecoin que seria instantânea e com taxas baixas ou zero.

Como as stablecoins ganham dinheiro

O primeiro método que os emissores de stablecoin usam para ganhar dinheiro é através da cobrança direta de taxas de resgate e emissão.

Depois disso, geralmente varia dependendo do tipo de stablecoin. Para emissores centralizados, esse desejo de ganhar dinheiro leva à polêmica em torno da transparência das reservas, conforme discutido acima. Para muitos, essa é a desvantagem do modelo centralizado – o fato de os investidores que detêm essas stablecoins estarem assumindo o risco da contraparte.

O risco de contraparte é a probabilidade de que a outra parte do ativo não cumpra parte do negócio e não cumpra a obrigação contratual.

“As stablecoins (centralizadas) ganham dinheiro investindo suas reservas em dólares em classes de ativos de maior rendimento, por exemplo, papéis comerciais ou letras do Tesouro”, diz Ganesh Viswanath Natraj, professor assistente de finanças da Warwick Business School no Reino Unido. incorrer em juros zero.”

Por outro lado, as stablecoins descentralizadas possuem modos de receita que variam de protocolo para protocolo.

Exemplos típicos incluem a venda de tokens de governança que permitem que os compradores obtenham controle de votação sobre o futuro da stablecoin ou bloqueando fundos em contratos inteligentes no blockchain para ganhar juros.

Mas com esses investimentos de emissores de stablecoin vem o risco. O emissor da stablecoin enfrenta um trade-off.

“Embora investir suas reservas em dólares possa aumentar os lucros, também aumenta o risco de uma corrida (bancária) e não ter reservas líquidas suficientes para atender aos resgates em resposta ao pânico dos investidores”, diz Natraj.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

VEJA TAMBÉM

Interpol emite aviso vermelho para o fundador da Terraform, Do Kwon

A Interpol emitiu um aviso vermelho para Do Kwon, solicitando que agências de aplicação da lei em todo o mundo localizem e prendam o fundador...

Pesquisadores de Stanford propõem transações reversíveis

Os pesquisadores de blockchain da Universidade de Stanford, Kaili Wang, Qinchen Wang e Dan Boneh, apresentaram um Nova proposta para transações no Ethereum (ETH) –...

Crypto está duelando com o dólar para ser o melhor desempenho deste trimestre

Conteúdo do artigo (Bloomberg) -- As oscilações selvagens nos mercados deixaram as criptomoedas duelando com o dólar pelo título de ativo de melhor desempenho neste...

Disney quer um advogado para lidar com Blockchain, NFTs, Metaverse

O fervor em torno de tokens não fungíveis está em fúria desde 2021. Enquanto alguns continuam adotando essa tendência, alguns outros parecem ter superado...

POPULAR