InícioBitcoinDepartamento de Justiça apreende US$ 3,6 bilhões em Bitcoin e prende casal

Departamento de Justiça apreende US$ 3,6 bilhões em Bitcoin e prende casal

-

- Advertisement -
- Advertisement -
- Advertisement -

WASHINGTON – O Departamento de Justiça disse na terça-feira que apreendeu mais de US$ 3,6 bilhões em Bitcoin roubado e prendeu um casal acusado de lavar a criptomoeda que hackers roubaram seis anos atrás.

O casal, Ilya Lichtenstein, 34, e Heather Morgan, 31, foram acusados ​​em uma queixa criminal de conspirar para lavar 119.754 Bitcoins que haviam sido roubados em 2016 da Bitfinex, com sede em Hong Kong, uma das maiores casas de câmbio virtuais do mundo.

O valor da moeda no momento de sua apreensão na semana passada torna a maior apreensão financeira do departamento de todos os tempos, disseram autoridades.

Um funcionário do Departamento de Justiça se recusou a comentar se Lichtenstein e Morgan estavam envolvidos na invasão.

A violação em 2016 estava entre uma série de invasões em casas de câmbio que permitiram o roubo de grandes quantidades de moeda digital. Mesmo quando os fundos roubados foram recuperados, os roubos destacaram as vulnerabilidades de segurança no relativamente novo mundo das criptomoedas. Em alguns casos, os incidentes afetaram drasticamente os valores das criptomoedas.

Após a invasão da Bitfinex, uma das maiores exchanges da história do mercado de criptomoedas, o valor do Bitcoin caiu inicialmente cerca de 20%.

As prisões na terça-feira “mostram que a criptomoeda não é um refúgio seguro para criminosos”, disse Lisa O. Monaco, vice-procuradora-geral, em comunicado. “Em um esforço inútil para manter o anonimato digital, os réus lavaram fundos roubados por meio de um labirinto de transações de criptomoedas.”

O Sr. Lichtenstein e a Sra. Morgan compareceram a um tribunal federal em Manhattan na tarde de terça-feira. Um juiz ordenou que eles fossem soltos sob fiança: US$ 5 milhões no caso de Lichtenstein e US$ 3 milhões no caso de Morgan. Um advogado que os representa não respondeu imediatamente a um pedido de comentário.

Lichtenstein, que atende pelo apelido de holandês, tem cidadania americana e russa e se descreveu como um empresário de tecnologia, de acordo com a denúncia. Morgan se descreve em sua página do LinkedIn como “uma empreendedora em série” e uma “rapper cômica irreverente”. A denúncia, que também acusa o casal de conspiração para fraudar os Estados Unidos, sugere que Morgan também atende pelo pseudônimo Razzlekhan.

De acordo com documentos judiciaiso hacker que violou os sistemas da Bitfinex iniciou 2.000 transações para enviar 119.754 Bitcoins roubados para uma carteira digital que estava sob o controle de Lichtenstein.

Nos últimos cinco anos, cerca de 25.000 desses Bitcoins foram transferidos da carteira de Lichtenstein usando uma série complicada de transações destinadas a ocultar que a moeda havia sido roubada da Bitfinex, disse o Departamento de Justiça.

Mas os investigadores rastrearam o movimento do Bitcoin no blockchain, o livro eletrônico fixo permanente que registra cada vez que um Bitcoin se move para uma nova carteira digital. E alguns desses fundos acabaram sendo depositados em contas financeiras controladas por Lichtenstein e Morgan, que usaram parte do dinheiro para comprar itens como ouro, tokens não fungíveis e um cartão-presente do Walmart, de acordo com a denúncia.

Autoridades policiais obtiveram acesso à carteira de Lichtenstein em 31 de janeiro, depois de obterem um mandado de busca que lhes dava acesso a arquivos criptografados na conta de armazenamento em nuvem de Lichtenstein.

No dia seguinte, os investigadores apreenderam os 94.636 Bitcoins que permaneciam naquela carteira, que valiam mais de US$ 3,6 bilhões, segundo documentos judiciais. O total de 119.754 Bitcoins roubados, no valor de cerca de US$ 71 milhões quando a Bitfinex foi hackeada em 2016, agora valem mais de US$ 4,5 bilhões, de acordo com o Departamento de Justiça.

A prisão mostra que “não permitiremos que a criptomoeda seja um refúgio seguro para lavagem de dinheiro ou uma zona de ilegalidade em nosso sistema financeiro”, disse Kenneth A. Polite Jr., chefe da divisão criminal do Departamento de Justiça, em comunicado.

Com mais americanos comprando e vendendo criptomoedas como Bitcoin, os reguladores colocaram algumas grandes exchanges nos Estados Unidos sob supervisão oficial.

Mas as criptomoedas se movem através de redes de computadores descentralizadas que não estão sob o controle de nenhum governo ou empresa, portanto, a maioria das negociações ainda ocorre em exchanges amplamente não regulamentadas, como a Bitfinex, que fornecem aos consumidores poucas informações sobre suas operações.

A falta de regulamentação levou a uma série de problemas no mundo das trocas de moedas virtuais, ameaçando prejudicar a confiança do consumidor nas criptomoedas e retardar a adoção generalizada. A primeira exchange de Bitcoin, Mt. Gox, entrou em colapso em 2014 depois que hackers violaram seus sistemas de segurança e desviaram US$ 500 milhões em dinheiro de clientes.

E os agentes da lei apresentaram acusações criminais contra pessoas que possuem exchanges e são suspeitas de facilitar atividades criminosas.

Ed Shanahan contribuiu com reportagens de Nova York.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

VEJA TAMBÉM

O sentimento do mercado cripto retorna aos níveis pré-LUNA Crash, o que isso significa?

O sentimento do mercado cripto caiu drasticamente até 2022. A maior parte foi desencadeada pelo colapso de várias empresas, levando os preços do mercado a...

Uma olhada nas finanças secretas do BlockFi (não é bonito)

O credor de criptomoedas BlockFi teve 12 meses altamente tumultuados. Depois de ser pega no fiasco da Terra, que resultou em uma das espirais...

Bitcoin atingirá US$ 200.000 antes do próximo ciclo de ‘mercado de baixa’ de US$ 70.000 – Previsão

O Bitcoin (BTC) tem evidências “bem formadas”, o que sugere que sua próxima alta histórica chegará a US$ 200.000, diz um analista.Em um twittar em...

Projeto Solana DeFi Friktion fecha sua plataforma de usuário

A plataforma de finanças descentralizadas (DeFi) da Solana, Friktion, está desligando sua interface de usuário e pedindo aos clientes que retirem seus ativos do protocolo,...

POPULAR