Os bancos legados devem aprender sobre staking e DeFi ou extinção de risco

É tudo sobre economia, criptomoedas, arte e projeções futuras. Para falar sobre tudo isso, Cointelégrafo em espanhol entrou em contato com o artista Alberto Echegaray, diretor da Trustlink e ex-representante da Argentina na Força-Tarefa de Ação Financeira.

Cointelégrafo: Vamos começar falando sobre sua arte, o Moneyball.

Alberto Echegaray: Moneyball começou a ser desenvolvido em 2012. É uma peça que toca em algo que é tabu na arte: o dinheiro. E ainda é um tabu, embora seja algo que está mudando agora com os NFTs.

O que Moneyball quer mostrar é como a maioria, ou basicamente todas, as moedas fiduciárias não têm respaldo no mundo agora. E quantos governos aproveitam a emissão dessas moedas para gerar inflação, que é basicamente um imposto – um fantasma que tira o poder de compra das pessoas.

Com esse conceito, comecei a trabalhar no Moneyball com dólares. Morei em Washington, DC por cerca de 12 anos – fiz algumas consultoria para o Fed. Foi assim que cheguei ao Fed, fui convidado para conhecer as instalações de uma divisão onde imprimem dólares.

Naquela época, eles estavam substituindo os dólares antigos pelos novos que estão em circulação agora. Em uma parte, encontrei um enorme depósito com bilhões de dólares destruídos. Foi quando eu pensei, Isto é incrível. Você não podia tirar fotos – havia muitas medidas de segurança. Eu pedi o dinheiro destruído, mas me disseram que o dinheiro é propriedade do Estado, não é nossa. E mesmo que seja destruído, ainda é propriedade federal.

Tive de escrever uma série de cartas e, depois de vários meses, eles me deram dois milhões de dólares em notas de 100 dólares, destruídos. E então comecei a criar a arte.

CT: E como você teve a ideia de adicionar Bitcoin ao seu trabalho?

AE: No final de 2013, um venezuelano em San Francisco me falou sobre o BTC e me deu alguns, que ainda tenho. Não prestei muita atenção nisso até 2015 ou 2016.

Conversei com várias pessoas no Vale do Silício e elas me disseram que isso faria parte do futuro, especialmente o blockchain. Comecei a comprar Bitcoin e realmente entrar nisso. Então eu abri um fundo e me tornei um criptomissionário.

“Foi super interessante. Bitcoin começou a crescer. E naquela época, eu podia viajar para vários países a trabalho. Comecei a descobrir resistência de todos os setores financeiros. Parecia que eu estava falando sobre algo relacionado ao crime ou à lavagem de dinheiro. Foi terrível.”

Mas em 2016, fui contatado por uma pessoa que passou a fazer parte do governo argentino e precisava de ajuda com tecnologia para prevenir a lavagem de dinheiro e o financiamento do terrorismo. Era Mariano Federici, chefe da Unidade de Investigações Financeiras. A FIU não tinha praticamente nada para lutar contra a lavagem de dinheiro com Bitcoin e criptografia. Foi uma bagunça. Pediram-me para ajudar e foi um desafio interessante. Sistemas mais avançados de análise, dados e informações foram instalados.

Mas eu não estava interessado na parte de acusação do crime; Eu estava muito mais interessado na parte técnica e criptográfica. Nessa altura, a Europol realizou uma reunião em que se reuniram especialistas em segurança sobre o tema da criptografia e da cibercriminalidade. Eu era novo, mas fui convidado pelo governo argentino. Então, fui convidado novamente para o FATF, e lá conheci algumas pessoas – especificamente dos Estados Unidos, China, Rússia, África do Sul e Austrália – que sabiam algo sobre criptografia. Eles eram uma equipe muito forte. E comecei a ver como os regulamentos se desenvolveriam

CT: Você queria fazer mais e ver o outro lado atrás da cortina?

AE: Isso foi em 2016/2017. Mas antes de ingressar na FATF na cadeira da Argentina, tive quatro anos de experiência trabalhando em Paris em questões regulatórias. Eu tinha começado a desenvolver, em paralelo, uma nota privada fora do mercado, e ela foi a primeira sintética com o ativo subjacente sendo o Bitcoin.

E aí, consegui estruturar um produto financeiro que você poderia investir em uma conta bancária. Foi um super sucesso, até que os bancos me disseram que não podiam aceitar dinheiro porque envolvia BTC.

Comecei a pensar sobre Cryptoball. Se eu tivesse usado moeda fiduciária, mostrando que não vale a pena, disse que vou tentar com criptografia. Comecei a desenvolver o Cryptoball, mas em 2017/2018, era difícil conseguir displays curvos que mostrassem o preço do BTC. Tive que entrar em contato com uma pessoa na China que me deu acesso a telas flexíveis.

Cryptoball é uma esfera com duas telas flexíveis conectadas a um software em um processador. O processador mostra o valor em tempo real do BTC que é mantido em uma carteira de hardware dentro da peça. Mostra o preço em ienes, euros e dólares. Naquela época, eu tinha 250 BTC e os coloquei na carteira Ledger.

“Ao lado da instalação na Bienal de Veneza, coloquei um milhão de dólares e um milhão de euros. Havia muitos jovens. Muitas pessoas do mundo da arte me perguntaram o que era porque não entendiam. ”

Foi quando um colecionador europeu que eu não conhecia me abordou. Ele se ofereceu para me encontrar em um restaurante no dia seguinte. Foi muito interessante porque eles me contataram em seu nome e falaram sobre “Sua Alteza Real”.

Ele acabou por ser um príncipe que apoia muito a cultura. Sentamos e conversamos sobre a obra de arte. Não pude acreditar porque a Bienal de Veneza não é um lugar onde se vende.

A Bienal acabou e eu levei a obra para a casa dele, um lugar na Suíça. É uma história muito interessante.

CT: Os mundos da arte e da criptografia estão se dando muito bem. O que você acha dos NFTs? Você tem planos de trabalhar com essa tecnologia?

AE: Estou iniciando o processo de tokenização de algumas obras. Estou pensando em tokenizar a esfera, mas quero que seja algo interessante. Não apenas um desenho 3D de uma obra de arte ou uma escultura, mas, por exemplo, uma espécie de live ticker que mostra o preço. Algo que existe na vida real, que existe em paralelo em diferentes dimensões.

Também estou trabalhando no mapeamento 3D e na realidade aumentada com um grupo de pessoas. Também fui convidado para ser um consultor em uma plataforma NFT que tem artistas consagrados.

Acho que estamos no início da tokenização e de muitas coisas interessantes que podem espalhar a arte. Com isso, quero dizer que antes era muito difícil para os artistas que se formaram em escolas de arte acessarem as galerias. Isso está mudando dramaticamente. Agora, os formados em escolas de arte que optaram por se dedicar à arte digital ou virtual estão recebendo ofertas de trabalho, como está acontecendo no setor de games, por exemplo.

Isso se soma a todas as marcas de consumo de massa que estão entrando no mundo virtual. É incrível o que está por vir.

CT: Em relação ao futuro do private banking, você acha que os bancos vão trabalhar com criptografia ou contra criptografia?

AE: Todos os grandes bancos já têm grandes divisões de pesquisa de criptografia. Eles sabem que este é um novo sistema dentro do sistema financeiro. É como quando falamos sobre telefones fixos e celulares – eles vão acabar canibalizando tudo.

Mas eles ainda estão apegados a seus sistemas de transferência e suas maneiras de cobrar comissões e ganhar dinheiro, e não perceberam que isso mudou drasticamente.

“Se eles não entendem de staking ou DeFi e não os adotam rapidamente, verão seus negócios desaparecerem da noite para o dia. Tem gente que tenta entender, mas é muito difícil ”.

O mesmo vale para os reguladores. Não há recursos humanos suficientes para perguntar quem entende os dois mundos. E não há capacidade, inteligência e determinação. Eles acham que ainda está muito longe.

CT: Como você acha que será o estado do sistema monetário global em 2030?

AE: Acho que haverá grandes oportunidades para as novas gerações. É um sistema paralelo de governos, que se baseia na velocidade da tecnologia. Acho que em 2030 haverá uma sociedade mais integrada por um lado, mas mais discriminatória por outro. Eles serão grupos muito poderosos.

O que estamos vendo com a criptografia é basicamente uma revolução de ativos ou moedas privadas como nunca vimos antes. No caso da criptografia, vejo claramente sistemas privados, vinculados a sistemas espaciais privados, que podem ou não ser de código aberto. Vejo bancos neste espaço, ativos digitais muito mais evoluídos e a tokenização de commodities acontecendo no futuro.

Os comerciantes não querem perder o controle de tudo isso. Esse é o tipo de projeção que vejo. Acho que haverá um novo sistema que não é nem capitalista nem socialista.