Atlético Mineiro NFT surpreende e já movimenta R $ 1,4 milhão

Em menos de um mês, os cartões NFT dos jogadores do Atlético Mineiro já movimentaram mais de R $ 1,4 milhão na plataforma do Sorare.

A entrada do Atlérico MG no mercado de tokens não fungíveis (NFT) já está gerando resultados financeiros logo após a aposta do clube de futebol no novo mercado.

Publicidade - OTZAds

A primeira foi a parceria com a Sorare, plataforma internacional de jogo de fantasia quem troca cartas de jogador de futebol. Por meio dele, usuários de todo o mundo podem “adquirir” os jogadores do clube mineiro em seus times, participando de ligas online que premiam os mais bem colocados.

À medida que os atletas ganham maior destaque e conquistas no mundo real, suas respectivas cartas ganham maior valor na plataforma. Com isso, seus proprietários podem revendê-los, conseguindo lucrar com a operação.

É o que já foi visto com grandes promessas do Atlético MG. O jogador Echaporã, considerado uma “joia” da base da equipa, teve o seu cartão vendido por 500 euros.

O cartão de Guilherme Arana é o mais caro já negociado, por mais de 14 mil euros – cerca de R $ 90 mil ao preço atual. No total, todos os cartões dos jogadores do clube geraram receita acima de R $ 1,4 milhão.

Em entrevista ao Globo Esporte, o gerente de Inovação do Atlético MG, Felipe Ribbe, destaca que apenas uma parte do valor movimentado vai para os cofres da instituição. Porém, como o clube não precisou gastar nenhuma quantia para criar os cartões no NFT, a parceria com o Sorare já foi um grande negócio.

Publicidade - OTZAds

Lance histórico da Libertadores leiloado na NFT

Outra iniciativa do Atlético MG no universo dos tokens não fungíveis é o leilão realizado no OpenSea de um marco NFT da defesa histórica do goleiro Victor, nas quartas de final da Libertadores 2013.

O clube sagrou-se campeão naquele ano, tendo a defesa sido marcada como um dos momentos mais importantes da jornada para o título. O leilão da obra, que termina no próximo domingo (30), tem lance de 2 Ethereum (ETH) – mais de R $ 30 mil pelo preço atual.

Embora o valor seja bem menor do que o gerado pelos cartões do Sorare, neste caso, a maior parte do dinheiro arrecadado irá para o clube.

Criptoativos e futebol brasileiro

O Atlético MG inovou ao ser o primeiro grande clube de futebol do país a disponibilizar obras de NFT para seus torcedores. No entanto, ele não é a única equipe que busca alternativas no universo do blockchain.

Publicidade - OTZAds

Seu maior rival, o Cruzeiro, anunciou recentemente a criação de um token próprio. O ativo funcionará nos moldes do Vasco Token, que distribui a receita aos seus titulares com base na venda de jogadores formados pelas categorias de base do clube.

O Cruzeiro Token é fruto da parceria do clube com a Liqi Digital Assets, startup brasileira que pretende levar a tokenização para outros clubes de futebol do Brasil. Além disso, a Chiliz (CHZ), que já criou tokens para grandes times europeus, também pretende se estabelecer no país.

A matéria NFTs do Atlético Mineiro surpreende e já movimenta R $ 1,4 milhão foi vista pela primeira vez no BeInCrypto.

LEIA TAMBÉM

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Últimas Noticias